:: Sinopse ::

Em seu 4º ano na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwards, Harry Potter (Daniel Radcliffe) é misteriosamente selecionado para participar do Torneio Tribruxo, uma competição internacional em que precisará enfrentar alunos mais velhos e experientes de Hogwards e também de outras escolas de magia. Além disso a aparição da marca negra de Voldemort (Ralph Fiennes) ao término da Copa do Mundo de Quadribol põe a comunidade de bruxos em pânico, já que sinaliza que o temido bruxo está prestes a retornar.

:: Impressões ::

Voltando a ter um filme da franquia exibido no final do ano, o quinto capítulo da saga, Harry Potter e o Cálice de Fogo, é continuação direta – tanto em estilo quanto narrativamente – dos acontecimentos do filme anterior. Agora sob o comando do veterano Mike Newell (o primeiro inglês a assumir um filme da franquia, que teve um norte-americano – Chris Columbus – e um mexicano – Alfonso Cuarón – como comandantes nos longas anteriores), diretor de filmes como Quatro Casamentos e um Funeral, Donnie BrascoO Amor nos Tempos do Cólera e posteriormente a esse Harry Potter a aventura Príncipe da Pérsia – As Areias do Tempo, o filme em sua essência é um misto bem executado dos três capítulos anteriores, visto que carrega o clima mais pesado e sombrio de O Prisioneiro de Azkaban com a magia e aventura de A Pedra Filosofal e A Câmara Secreta. O torneio que tem como prêmio o cálice do título é o mote perfeito para apresentar novos personagens – dessa vez no âmbito internacional -, novas criaturas fantásticas – temos dragões e sereias, por exemplo -, além de lugares inóspitos. O filme também acerta por nos mostrar finalmente aspectos do vilão e de seus aseclas, fato este que nos capítulos anteriores não teve tanto destaque. Portanto, O Cálice de Fogo é o longa da franquia até então que estabelece Voldemort como vilão – inclusive é durante este filme que o mesmo “volta” à vida.

Repleto de efeitos-visuais de primeira (talvez o filme com mais efeitos da série até o momento), com um clima bacana, porém as vezes um tanto quanto corrido – fica a impressão de que Newell não ousou tanto quanto Cuarón no filme anterior, que limou aspectos contidos no livro que não fizeram falta (pelo menos para mim) na transposição em película, já Newell parece ter tentado fazer como Columbus e não conseguiu tudo que julgara importante no livro em pouco mais de 2 horas e meia -, sendo assim alguns momentos são demasiadamente truncados, enquanto outros parecem não ter tanta importância assim ao plot central – que seria o torneio, seguido do twist composto pela volta de Você-Sabe-Quem. Uma outra falha do longa (talvez devido ao problema comentado acima) reside no que se refere a passagem de tempo no filme, que não repete a simplicidade (e, por que não, genialidade) do filme anterior, e muito menos utiliza do método dos dois primeiros – que anunciava o Natal, por exemplo, como dica para que o ano letivo em Hogwarts estava em recesso -, resultando assim numa verdadeira confusão para sabermos quanto tempo levou para a realização do torneio – às vezes tem-se a impressão de que o mesmo ocorreu em apenas alguns dias. Mas e o resto ano? Fica a dúvida.

Tirando isso o filme é muito divertido, finalmente nos apresenta o tão temido Lorde Voldemort (com um Ralph Fiennes se divertindo bastante por trás da excelente maquiagem do personagem), que mata um personagem (Cedric Diggory, interpretado pelo hoje crepuscular Robert Pattinson, da saga Crepúsculo) que infelzimente não causa muita comoção, visto que o mesmo é tão superficialmente desenvolvido no filme que o impacto de sua morte é quase nulo (além da quase que total falta de carisma do intérprete). Brendan Gleeson, que interpreta o personagem Moody Olho Torto também está bem caracterizado, enquanto Michael Gambon continua praticando atos de loucuras e intimidação com sua visão diferenciado do bruxo Dumbledore. Por fim, realmente a aparição de Voldemort nos minutos finais é a grande cena do filme, junta a quase conclusão do longa, num clima de dor e desespero (deveria ter acabado neste clima), mas que apela para o desfecho esperançoso com a luz ao final.

Harry Potter e o Cálice de Fogo é um tão bom quanto o filme anterior, no que se refere ao fator entretenimento. No aspecto técnico, ganha no quesito de efeitos-visuais, maquiagem e figurino (fato óbvio devido a pontual evolução tecnológica com o passar dos anos), porém sua abordagem tem menos ousadia, o filme é – apesar dos fãs da série literária em sua maioria não concordarem – menos enxuto que o anterior e um tanto quanto confuso em alguns momentos (talvez devido a sua pressa e vontade de contar tudo). O mesmo também marca a entrada de um novo maestro na composição da trilha sonora, Patrick Doyle (britânico que compôs as trilhas de O Pagamento Final e Razão e Sensibilidade, dentre outros), além de ser o primeiro filme da franquia sem a presença dos co-produtores Chris Columbus e Mark Radcliffe (da 1402 Productions). Conclusão: Harry Potter e o Cálice de Fogo não seguiu o caminho que a saga vinha seguindo até entao, o de cada novo filme superar o anterior no conjunto da obra, contudo o mesmo consegue manter – com competência – o nível do capítulo anterior, marcando assim (talvez) o padrão que a série viria a ter nos próximos episódios, a começar pelo filme lançado dois anos depois, A Ordem da Fênix.

*

Caso você não tenha visto minhas impressões sobre os filmes anteriores da franquia, acesse os links abaixo:

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Harry Potter e a Câmara Secreta

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

*

:: Ficha Técnica ::

Elenco: Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Michael Gambon, Maggie Smith, Alan Rickman, Robbie Coltrane, Brendan Gleeson, Julie Waters, David Tennant, Robert Pattinson, Jason Isaacs, Tom Felton, Timothy Spall, Ralph Fiennes e Warwick Davis.

Título original: Harry Potter and the Goblet of Fire

Gênero: Aventura

Duração: 157 min.

Ano de lançamento: 2005

Estúdio: Warner Bros. / Heyday Films

Direção: Mike Newell

Roteiro: Steven Kloves, baseado em livro de J.K. Rowling

Produção: David Heyman

Música: Patrick Doyle

Fotografia: Roger Pratt

Direção de arte: Mark Bartholomew, Alastair Bullock, Alan Gilmore, Neil Lamont e Gary Tomkins

Figurino: Jany Temime

Edição: Mick Audsley

Efeitos especiais: Animal Logic / Double Negative / Gentle Giant Studios Inc. / Industrial Light & Magic / Rising Sun Pictures / The Moving Picture Company / The Orphanage

:: Trailer ::

Legendado

:: Links ::

Sinopse e Ficha Técnica: Adoro Cinema

Histórico de Bilheteria (The-Numbers):

* Harry Potter and the Goblet of Fire

* Série de Filmes

– Posts sobre os filmes anteriores:

* Harry Potter e a Pedra Filosofal

* Harry Potter e a Câmara Secreta

* Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Anúncios
comentários
  1. […] – DONNIE BRASCO, dirigido por Mike Newell (Harry Potter e o Cálice de Fogo/Príncipe da Pérsia – As Areias do Tempo). Esse bigode "moustache" é foda… e o […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s