Disponibilizarei abaixo comentários acerca da primeira temporada da série Masters of Horror, projeto do produtor e diretor Mick Garris, que reuniu diversos cânones do cinema de horror mundial (de Dario Argento e Tobe Hooper, a John Landis e Joe Dante), além de alguns jovens talentos. Exibida nos Estados Unidos entre os anos de 2005 e 2006 pelo canal pago Showtime, esta série já foi lançada no Brasil em DVD. Confitam logo abaixo  minhas impressões acerca dos 6 primeiros episódios da primeira temporada:

Episódio 1: “Incident On and Off A Mountain Road, de Don Coscarelli (Noite Macabra).

O primeiro episódio da série Masters of Horror, “Incident On and Off A Mountain Road”, baseado num conto de Joe R. Lansdale e dirigido por Don Coscarelli, segue a linha de filmes como O Massacre da Serra Elétrica (The Texas Chainsaw Massacre) e Viagem Maldita (The Hills Have Eyes), já que possui em seu enredo a consagrada fórmula de caça e caçador, onde uma mulher é caçada sem motivo algum por um louco deformado após sofrer um acidente de carro numa estrada deserta. Ela passará por diversas provações e, através de superação, consegue sobreviver ao maníaco, contudo não sem antes ser presa no cativeiro do homicida e conhecer um estranho idoso que está “preso” junto a ela. Mais um representante do gênero slasher, este curta, apesar do início moroso, vai ganhando espectador no decorrer da projeção, tendo seu melhor momento em sua conclusão ambiguamente moral. O ritmo do episódio varia bastante, contudo o nível técnico da produção supera muitos longas atuais do gênero, filmados para cinema. O ponto alto, no entanto, fica para a alternância, na montagem final, a cargo de Patrick McMahon, que transita da correria da protagonista para se salvar e de revelações do seu passado, onde se fica conhecendo como ela conseguiu sobreviver ao encalço do homicida sem motivação aparente. Um começo de série que não desagrada, mas também não sai do campo do razoável.

NOTA: 6.

:: Trailer ::

____________________________________________________________

Episódio 2: “Dreams in the Witch House, de Stuart Gordon (Re-Animator).

Dirigido por Stuart Gordon, diretor do clássico thrash oitentista “Re-Animator” e adaptado de um conto de H.P. Lovecraft, o segundo episódio de Masters of Horror, “Dreams in the Witch House” apresenta a jornada de um universitário estudante de física quando este decide alugar um quarto de uma casa para poder se dedicar a uma teoria a respeito de portais para universos paralelos. Contudo, ele não imaginava que o quarto que alugara era amaldiçoado pela presença de uma bruxa, que o força, através de sonhos, a fazer o sacrifício de um bebê. Elementos de bruxaria e seitas são o mote da vez neste episódio que, apesar de apresentar um nível técnico abaixo do primeiro capítulo da série (os efeitos visuais são risíveis), possui uma estrutura narrativa e um enredo bem mais interessante e realizado que o episódio anterior. Gordon com certeza possui os atributos necessários para a construção de uma narrativa do gênero, no entanto é certo afirmar que a força que move o curta é o poder estilístico e de conteúdo do conto de Lovecraft e não o conhecimento de causa do realizador de “Re-Animator”.

NOTA: 6,5.

:: Trailer ::

____________________________________________________________

Episódio 3: “Dance of the Dead, de Tobe Hooper (O Massacre da Serra Elétrica, Poltergeist – O Fenômeno).

Dance of the Dead”, o terceiro episódio da série, é ambientado num futuro pós-apocalíptico, num mundo destroçado devido a uma suposta terceira guerra mundial. Neste ambiente inóspito aconteceram experiências para reanimar os mortos. É a partir disso que a trama de “Dance of the Dead” se desenvolve, quando aborda o relacionamento entre uma adolescente que sente a falta da irmã mais velha e um membro de uma gangue, que está envolvido com um excêntrico dono de uma boate alternativa. Espécie de revival dos filmes de zumbis, este episódio, dirigido por Tobe Hooper, dos imperdíveis “O Massacre da Serra Elétrica (The Texas Chainsaw Massacre) e Poltergeist, sofre bastante no que devido à dinâmica da edição, com trucagens e efeitos de câmera que mais cansam do que contribuem para a narração da trama e ao ritmo empregado, que oscila de maneira desordenada entre o lento e o eufórico. Baseado num conto do cultuado escritor Richard Matheson (Eu Sou a Lenda) e adaptado por Richard Christian Matheson, este trabalho do experiente Hooper é um tanto quanto decepcionante, visto o bom background do diretor em filmes do gênero. Contudo, vale como curiosidade, principalmente pela boa participação do eterno Freddy Krueger, Robert Englund, bastante a vontade (e um tanto quanto galhofa) no papel do sinistro proprietário da boate. E, para os curiosos e fãs do rock alternativo, quem assina a trilha sonora nada mais é do que Billy Corgan, eterno líder da hoje finada banda Smashing Pumpkins.

NOTA: 5,5.

:: Trailer ::

____________________________________________________________

Episódio 4: “Jenifer, de Dario Argento (Suspiria, Giallo – Reféns do Medo).

Dario Argento comanda “Jenifer”, quinto capítulo da série, que apresenta a história de um homem que, após salvar uma jovem com o rosto desfigurado prestes a ser assassinada, acaba se envolvendo com a mesma e passa a ficar cada vez mais dependente dela, já que, apesar do rosto distorcido, Jenifer é portadora de um corpo escultural e parece estar sempre disposta a seduzi-lo sexualmente. No entanto, apesar da fragilidade demonstrada por ela, Jenifer esconde bem mais do que seu rosto deformado. Assumidamente trash, essa película de Argento tem uma trama bastante envolvente, apesar de bastante inverossímil. Divertido e repleto de cenas escatológicas, possui uma trilha sonora eficiente, marcada principalmente pela presença de violinos que, em alguns momentos, homenageiam, junto a alguns ângulos de filmagem, ao estilo Hitchckockiano de filmar. Até agora, o melhor episódio da série.

NOTA: 7.

:: Trailer ::

____________________________________________________________

Episódio 5: “Chocolate, de Mick Garris (Sonâmbulos, Montado na Bala).

O quinto episódio, “Chocolate”, enfoca um homem que começa a sentir e viver através de outra pessoa após experimentar um chocolate, que também fora experimentado pela mulher ao qual este passa a ver. Contudo, apesar dela ter assassinado seu amante, este homem, interpretado por Henry Thomas, até agora o protagonista mais conhecido de toda a série, acaba se apaixonando por ela, devido principalmente a ter sentido tudo pelo que ela passou, incluindo aí um orgasmo. Escrito e realizado pelo produtor da série, Mick Garris, Chocolate é um média-metragem competente e, senão muito interessante, pelo menos tenta abraçar ao máximo o aspecto da originalidade, mesmo sendo o capítulo mais distante do foco principal do programa.

NOTA: 5.

:: Trailer ::

____________________________________________________________

Episódio 6: “Homecoming, de Joe Dante (Grito de Horror, Gremlins).

Homecoming”, dirigido por Joe Dante (Os Gremlins), nada mais é do que uma metáfora acerca das tão discutidas guerras dos Estados Unidos contra o terrorismo no Oriente Médio (leia-se Afeganistão e Iraque), com uma bem sacada trama que mostra combatentes americanos mortos que retornam a “vida” com o objetivo de fazer diferença politicamente, mostrando seu ponto de vista acerca das guerras durante as votações para a eleição presidencial. Porém, é claro que o governo não deixaria isso acontecer e, a partir daí é que começam os conflitos ideológicos (e físicos, digamos) entre os veteranos zumbis e a cúpula do poder político norte-americano. Esta colcha de retalhos foi escrita pelo veterano roteirista de histórias em quadrinhos, Sam Hamm, responsável também pelo argumento do filme do Batman de 1989, dirigido por Tim Burton. Por fim, um excelente episódio, que consegue equilibrar muito bem paródia, crítica social e política e, como não poderia deixar de ser, o horror (pena que apenas nos minutos finais a obra fique mais interessante neste aspecto). Com certeza um dos melhores capítulos desta primeira temporada, que rendeu até mesmo uma homenagem ao cânone dos filmes de mortos-vivos, George A. Romero (de O Despertar dos Mortos, A Noite dos Mortos Vivos, Madrugada dos Mortos, só para citar alguns clássicos do gênero), primeiro cineasta a aplicar contextos de discussões político-sociais em suas obras um tanto quanto “indigestas”. Muitíssimo indicado!

NOTA: 8.

:: Trailer ::

____________________________________________________________

Em breve, os 7 episódios finais da primeira temporada. Aguardem!

:: Links ::

* Site oficial: http://www.sho.com/site/mastersofhorror/movie.do?content=homecoming

* IMDb (Masters of Horror): http://www.imdb.com/title/tt0448190/

Informações adicionais sobre a Série:

* Wikipédia (Brasil)

* Casa do Horror

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s