Arquivo da categoria ‘Séries’

Pelo qualidade apresentada até então e o texto elucidativo sobre a primeira temporada da série, não vejo ser necessário me alongar tanto debatendo acerca dos méritos e do impacto positivo causados por esta que é uma das melhores séries norte-americanas da atualidade. Fechando o arco iniciado na temporada anterior, a temporada 2 de The Killing mantém o nível de excelência, ao mesmo tempo em que consegue surpreender novamente, revelando detalhes até então nunca imaginados pelo espectador e revelando as causas e culpados pelo crime de maneira crível, mas não menos chocante e surpreendente.

Aproveitando ainda mais o belíssimo cabedal de personagens, temos aqui a detetive Linden (Mireille Enos) ainda mais intempestiva e à beira de um “colapso mental”, junto ao seu enigmático e boa praça parceiro Holder (Joel Kinnaman), para mim o grande nome dessa temporada. Outro grande nome que ganha uma nova cara – muito devido às consequências dos acontecimentos sofridos no final da temporada anterior – é a performance do ator Billy Campbell, que  emprega uma espécie de brilho e tormento ao seu personagem, o vereador Darren Richmond.

É chover no molhado enaltecer o caráter humano e psicológico tanto da trama quanto dos tridimensionais personagens de The Killing, até por que subtende-se que quem tem interesse de conferir esta segunda temporada, viu a anterior e esta basicamente continua a jornada iniciada naquela. Entretanto, não é demais afirmar mais uma vez que esta série, ao lado de Homeland, são as séries de conteúdo adulto mais interessantes feitas nos últimos anos, perfeitas para aqueles que procuram um entretenimento com baseadas na “realidade”, bem pé no chão, e com profundidade na abordagem dos seus temas.

Independentemente de gostos e de alcance midiático, é válido registrar que The Killing é uma série com grau de excelência tão ou até maior do que The Walking Dead e Game of Thrones, por exemplo, que também são produtos de qualidade altíssima, mas que têm a vantagem de possuírem uma divulgação e, consequentemente, uma audiência substancialmente maior em comparação a The Killing.  Sendo assim, para aqueles que curtem essas duas excelentes séries citadas acima, mas também curtem filmes policiais com uma pegada mais intimista (e, por que não, contemporânea) como Sobre Meninos e Lobos, Medo da Verdade – coincidência ou não, ambos baseados em obras policiais do norte-americano Dennis Lehane, que tem uma pegada semelhante a da série debatida aqui – , Seven, os Sete Crimes Capitais, dentre outros, recomendo entusiasticamente que confiram The Killing, pois a mesma possui um grau de profundidade, excelência e qualidade que supera em muito até mesmo grandes filmes do gênero, além de ter a rara qualidade no mundo das séries de TV de manter-se interessante e com grande qualidade do início ao fim das duas temporadas, que somam 26 episódios, nunca enganando o espectador e apresentando um dos encerramentos mais angustiantes e emotivos dos últimos tempos. Recomendo que a (ou as, caso não tenha acompanhado a temporada primeira) veja imediatamente.

:: Links ::

Análise da 1ª Temporada

Página na Wikipédia (Inglês)

Site oficial (em inglês): The Killing

Fichas no IMDB:

– Mireille Enos

– Joel Kinnaman

– Billy Campbell

– Michelle Forbes

Anúncios

Episódio dono do maior índice de audiência de toda a série, Valar Morghulis encerra com propriedade a segunda temporada de Game of Thrones, fechando os eventos iniciados no tenso episódio passado e deixando alguns ganchos para a temporada posterior. Quase que um resumo do que que aconteceu a cada um dos personagens após a sangrenta batalha mostrada no episódio anterior, acompanhamos o momento de glória dos Lannister em Porto Real (à excessão de Tyrion), a fuga de Arya Stark, a “traição” de Jon Snow, o resgate dos dragões de Daenerys, o êxodo de Bran e Rickon, a “fuga” de Jaime Lannister e Brienne, a angústia de Stannis Baratheon e a surpreendente comitiva de errantes no desfecho do capítulo.

Sem grandes reviravoltas e com algumas discrepâncias de eventos com relação à obra original, além de alguns elementos emprestados dos livros posteriores, o episódio perde apenas por optar pela  rapidez de resolução de alguns núcleos, em especial o de Daenerys, visto que os dilemas vividos pela personagem não chegam a causar comoção ao espectador, sendo sanados um tanto quanto facilmente demais. Outro que deixou um pouco a desejar foi Jon Snow, que em decorrência do ocorrida nos episódios anteriores, transformou-se – pelo menos por enquanto – num personagem pouco audaz e de inteligência limitada. Afora isso, este último episódio sobre fechar bem a temporada, tendo a maior parte de suas falhas não devido a sua própria incompetência, mas sim a algumas opções não tão boas tomadas pelos roteiristas da série em alguns dos episódios anteriores.

Apesar de não tão harmônica e emocionante como a temporada anterior, o segundo ano de Game of Thrones tem mais qualidades que deméritos, usando e abusando de discussões morais e políticas, sem deixar de buscar entreter seus diversos públicos – talvez uma falha, mas isso requer outra discussão – e honrar com rigor a obra mãe de George R. R. Martin, deixando assim esses públicos ansiosos pela sequência em 2013.

:::

Ainda não viu minhas impressões sobre os episódios anteriores? Veja agora:

Episódio 1, temporada 2The North Remembers

Episódio 2, temporada 2: The Night Lands

Episódio 3, temporada 2: What is Dead May Never Die

Episódio 4, temporada 2: Garden of Bones

Episódio 5, temporada 2: The Ghosts of Harrenhall

Episódio 6, temporada 2: The Old Gods and the New

Episódio 7, temporada 2: A Man Without Honor

Episódio 8, temporada 2: The Prince of Winterfell

Episódio 9, temporada 2: Blackwater

Um dos episódios mais aguardados desta 2ª temporada, Blackwater não decepciona em momento algum. Pelo contrário, pois a abordagem de George R. R. Martin (roteiro) e do diretor Neil Marshall (Abismo do Medo) ultrapassam o lugar comum e transformam um episódio que em essência seria focado apenas em batalha e combate (o que ainda possui, para deixar claro) num misto de tensão e intimismo, onde antes do confronto entre as forças de Stannis Baratheon contra a de Porto Real sentimos todo o clima de angústia e medo que com toda certeza passa pelas mentes e corações de todos antes de qualquer conflito.

Quase que totalmente focado nestes dois cenários (Stannis / Porto Real), este nono episódio praticamente descarta os demais núcleos e personagens da série, o que ao meu ver foi uma decisão mais do que acertada, visto que mesmo focando a preparação e a posterior batalha em pouco mais de 50 minutos, ainda assim ficou um gostinho de quero mais. Com uma boa condução, clima impactante, momentos espetaculares – talvez o grande destaque do capítulo seja o personagem Cão de Caça – e uma batalha eficiente e bem-elaborada, mesmo que não grandiloquente, Blackwater não é, ao meu ver, o melhor episódio da série, entretanto é um dos mais bem acabados,emocionantes (em diversos sentidos) e tensos de todos. O que dizer do final carregado de tensão (o que será que aconteceu?) e que abruptamente tem revelado o destino da batalha, quando um personagem de grande destaque desta temporada chega com as boas novas? Fantástico. Pena que agora só nos resta mais um…

:::

Ainda não viu minhas impressões sobre os episódios anteriores? Veja agora:

Episódio 1, temporada 2The North Remembers

Episódio 2, temporada 2: The Night Lands

Episódio 3, temporada 2: What is Dead May Never Die

Episódio 4, temporada 2: Garden of Bones

Episódio 5, temporada 2: The Ghosts of Harrenhall

Episódio 6, temporada 2: The Old Gods and the New

Episódio 7, temporada 2: A Man Without Honor

Episódio 8, temporada 2: The Prince of Winterfell

O oitavo episódio de Game of Thrones chegou e com eles algumas grandes mudanças com relação aos fatos ocorridos no livro original, visto que alguns dos eventos apresentados em The Prince of Winterfell são mostrados apenas nos livros posteriores, que não equivaleriam, em teoria, a segunda temporada. Entretanto, os criadores e roteiristas da série, David Benioff e D. B. Weiss amarram as pontas com competência, deixando toda a estrutura natural.

Espécie de prelúdio para o próximo episódio, onde certamente teremos a grande batalha entre Stannis Baratheon e sua armada de navios contra Rei Joffrey em Porto Real, The Prince of Winterfell mais uma vez dá destaque a situação “delicada” de Jon Snow, que apesar da embromação do episódio passado, é melhor explorado aqui. Arya Stark volta a aparecer quase que totalmente como suporte para o ponto de vista do espectador acerca do que acontece em Harrenhal, visto que desde a chegada da menina lá, pouco de ação ela tem tido. Entretanto, dessa vez a garota parece ganhar um certo desenvolvimento em sua rotina como auxiliar de Lorde Tywin Lannister. Já em Porto Real, Tyrion e Cersei Lannister voltam a ter certo destaque, protagonizando um dos melhores diálogos do episódio. Entretanto, talvez o grande destaque deste episódio tenha sido a resolução do que aconteceu com Jaime Lannister e a comprovação de algo que o título do capítulo já entregara.

Melhor acabado e bem mais interessante do que o episódio anterior, este oitavo capítulo deixa quase todos os elementos prontos para a iminente batalha pelo trono de Westeros, preparando terreno e, de certa forma praticamente encerrando os arcos de alguns personagens que provavelmente não terão uma larga importância nos eventos posteriores próximos. Com roteiro a cargo do criador da obra literária, George R. R. Martin e com direção do criativo cineasta inglês Neil Marshall (Abismo do Medo, Centurião), o próximo episódio tem tudo para ser o melhor da temporada.

:::

Ainda não viu minhas impressões sobre os episódios anteriores? Veja agora:

Episódio 1, temporada 2The North Remembers

Episódio 2, temporada 2: The Night Lands

Episódio 3, temporada 2: What is Dead May Never Die

Episódio 4, temporada 2: Garden of Bones

Episódio 5, temporada 2: The Ghosts of Harrenhall

Episódio 6, temporada 2: The Old Gods and the New

Episódio 7, temporada 2: A Man Without Honor


Dentre todos os capítulos dessa segunda temporada, talvez este A Man Without Honor tenha se mostrado o menos interessante e redundante. Apesar do grande momento vivido pelo até então sumido Jamie Lannister e dos grandes diálogos entre o pai deste e a sagaz Arya Stark, além do momento de humanização de Cersei Lannister num momento íntimo com seu irmão Tyrion, a saga de Jon Snow com uma selvagem e o pseudo-romance de Robb Stark acabam por não contribuir efetivamente com o andamento da série.

Entretanto, dentre os dois o que mais acaba enfraquecido é Jon Snow. A perseguição, a falta de pulso e o papo “bonitinho” entre este e a selvagem “pseudo-prisioneira”, além descaracterizar a obra original, acaba desconstruindo a imagem de que o jovem Snow é um sujeito em crescimento como patrulheiro, visto que muitas das suas atitudes para com a prisioneira são risíveis. Sinceramente, à exceção do cerco sofrido pelo mesmo pelos companheiros de sua até então prisioneira, todas as cenas dele são descartáveis e esquecíveis. Uma pena, pois este talvez tenha sido não só o maior ponto fraco desta temporada, mas de toda a série. É compreensível a adaptação do seriado para agradar seus diversos públicos, mas ao meu ver tal retrato desprestigia mais a essência do personagem (que é bondoso, não estúpido) do que ajuda a série a ganhar mais fãs.

:::

Ainda não viu minhas impressões sobre os episódios anteriores? Veja agora:

Episódio 1, temporada 2The North Remembers

Episódio 2, temporada 2: The Night Lands

Episódio 3, temporada 2: What is Dead May Never Die

Episódio 4, temporada 2: Garden of Bones

Episódio 5, temporada 2: The Ghosts of Harrenhall

Episódio 6, temporada 2: The Old Gods and the New

O que dizer do começo eletrizante deste episódio? Apesar de escrito por uma mulher (Vanessa Taylor), em The Old Gods and the New não houve sangue poupado, com o caminhar cada vez mais rápido de Theon Greyjoy ao “lado de negro da força”, por assim dizer e a cada vez mais tensa luta pelo trono de Westeros. Deixando um pouco de lado os acontecimentos em Winterfell – mas, falando em violência, o que dizer do ataque ao rei Joffrey e a tentativa de estupro da jovem Samsa Stark? Visceral e tenso -, este sexto episódio da segunda temporada deu um destaque mais acentuado aos dois extremos – tanto geograficamente, quanto no aspecto climático – de Westeros, enfocando com mais cuidado à saga de Jon Snow, que parte junto a Qhorin Meia Mão numa expedição onde acabam por capturar uma selvagem, que devido a displicência de Snow, acaba conseguindo fugir, dando trabalho para o mesmo recapturá-la. Apesar de levemente distante dos acontecimentos da obra original, as mudanças ocorridas aqui não chegam a descaracterizar a obra original, contudo deixam Jon Snow um tanto menos inteligente do que aparentava. Do outro lado, temos a luta da khaleesi Daenerys Targaryen para conseguir navios, com o intuito de retornar aos sete reinos e reconquistar o trono (de acordo com um dos personagens, conquistar, pois o mesmo nunca foi da mesma. Uma sacada brilhante, rechaçada como retórica por Dany). Entretanto, após as infrutíferas negociações, Dany acaba descobrindo que seus filhos dragões foram sequestrados, cena esta que finaliza o episódio com um grande ponto de interrogação, nesta que registra outra das grandes mudanças (leia-se: adaptações) entre a obra literária e a televisiva.

Apesar de não ter tanto destaque, outra personagem que ganhou um espaço interessante foi Arya Stark. Vendo-se acuada, a jovem lobo acaba por solicitar mais uma vez a ajuda do misterioso Jaqen H’ghar, culminando em outra sequência eletrizante, que apesar de bem bolada, também difere bastante dos acontecimento do livro.

Entretanto, apesar dos últimos episódios da segunda temporada de Game of Thrones ter começado a tomar caminhos muitas vezes distintos dos vistos no livro, muitas vezes eliminando personagens e readaptando outros para o lugar daqueles, ou até mesmo criando novas situações dramáticas, apoio tal decisão, até por que quem leu a obra escrita tem a oportunidade de ser surpreendido tanto quanto àqueles que só acompanham a série, dando assim momentos de ineditismo aos fãs da literatura de George R. R. Martin. Sendo assim, apesar de ter aspectos modificados – tanto em ordenamento, quanto em estrutura dos eventos -, a série continua excelente, até por que tais modificações foram executadas com maestria, agregando ao invés de diminuir a obra original.

:::

Ainda não viu minhas impressões sobre os episódios anteriores? Veja agora:

Episódio 1, temporada 2The North Remembers

Episódio 2, temporada 2: The Night Lands

Episódio 3, temporada 2: What is Dead May Never Die

Episódio 4, temporada 2: Garden of Bones

Episódio 5. temporada 2: The Ghosts of Harrenhall

E os eventos estão correndo cada vez mais rápido em Game of Thrones. Se o episódio anterior teve o melhor desfecho da temporada até então, The Ghost of Harrenhall é o que possui mais elementos interessantes e, por que não, relevantes a trama de todos até então. Logo nos primeiros minutos temos a morte de um dos personagens principais da trama (talvez um dos mais queridos), além de mais um conjunto de cenas impagáveis entre Tyrion Lannister (Peter Dinklage) e Bronn (Jerome Flynn).

Compacto, elucidativo e, à exceção das ausências de Joffrey e Samsa, dá espaço a cada um dos núcleos de personagens: Dothraki, Winterfell, Norte da Muralha, Ilhas de Ferro e os exilados (Arya e Gendry). Apesar de não ter um desfecho tão impactante quanto o do episódio anterior, este 5º capítulo sedimenta de vez os elementos da cada vez mais inevitável guerra.

:::

Ainda não viu minhas impressões sobre os episódios anteriores? Veja agora:

Episódio 1, temporada 2The North Remembers

Episódio 2, temporada 2: The Night Lands

Episódio 3, temporada 2: What is Dead May Never Die

Episódio 4, temporada 2: Garden of Bones